scrolling='no' 16/05/10 - 23/05/10 | Tendências de marketing digital e redes sociais na Web 2.0

O Marketing Digital nas Plataformas de Redes Sociais

Internet e Redes Sociais. O casamento que deu certo

quinta-feira, 20 de maio de 2010

O que seria da Internet sem as redes sociais? Alguém já parou para pensar? Seria como o mundo sem habitantes. Essa é minha conclusão.

As redes sociais deram um rumo ao uso da web e abriu caminhos para vários outros modelos de comunicação que até então só tinham os modelos de massa tradicionais: televisão, rádio e jornal, além de várias oportunidades de profissão, como por exemplo: o analista em redes sociais.

Os sites de relacionamentos trouxeram nova forma de usarmos a comunicação, seja ela para o lado pessoal ou para o lado profissional, como é o meu caso. Confesso que antigamente não era tão interessada no assunto, pois há 4 anos as redes sociais se resumiam ao Orkut e ao Facebook, depois surgiu o Hi5 e a partir daí o You Tube, Twitter, entre outras redes, de 2 anos para cá venho estudando a maioria desses sites, com ênfase no Twitter, mas aprendi a enxergar em todas algo que possa ser extraído para a minha profissão - Jornalista.


Porém já pararam para pensar sobre a real importância dessas ferramentas para os dias atuais? Eu já. Muito mais que reencontrar amigos, fazer novas amizades, encontrar o par ideal, postar fotos ou enviar scraps, as redes sociais englobam também uma parte super importante da convivência humana, a necessidade de se comunicar pelo simples fato de ser vital para a nossa vida.

À medida que enviamos um Scrap perguntando para um amigo como ele está, estamos sim nos comunicando – mas de uma forma direta, agora quando simplesmente decidimos abrir um perfil no Orkut ou ativar uma conta no Twitter estamos-nos pré-disponibilizando a gerar uma troca, seja ela pessoal ou profissional – dependendo de como eu quero usar a ferramenta. Estamos gerando um contato indireto com outras pessoas, nos oferecendo a participar do círculo de trocas que são as redes sociais, no geral, e nos colocando a disposição daquele interlocutor aceitar ou não ( lê-se adicionar ou seguir) e a partir daí gerar uma troca direta.



A grande questão é que quando essas ferramentas de comunicação surgiram há aproximadamente seis anos atrás, elas eram vistas como sites de namoro no qual era perda de tempo ou coisas sem real motivo de uso e não merecedor de atenção, de fato algo que não iria durar muito. Porém, à medida que foram ganhando espaço, e este fato aconteceu bem rápido, a ideia gerada a princípio foi perdendo força, na mesma medida que reencontrávamos amigos de infância, conhecíamos pessoas interessantes ou nos aproximávamos de um ídolo. Hoje em dia, é impossível imaginar a rede sem as redes sociais (trocadilho), na verdade a Internet é o meio que mais casa com as redes sociais, por ser um veículo de alcance inimaginável e mundial; nada mais justo que para esse veículo fosse reinventada uma forma de comunicação, porém adaptada para o século XXI.



Gostaria de saber de vocês, leitores: Como vocês imaginam a Internet se não existissem as Redes Sociais?
Imagens da Internet

Priscylla Duarte | Jornalista

Brasil reina nas redes sociais e nos EUA quem reina são os quarentões

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Duas notícias bem interessantes sobre Redes Sociais e que merecem destaque, enquanto preparo um novo post sobre o You Tube, que completou essa semana 5 anos de existência e sucesso.


1ª notícia:
Brasil, o país que reina nas redes sociais
Guilherme Pavarin, de INFO Online





O país do futebol pode também ser considerado a nação das redes sociais. É o que sugere o último relatório da Nielsen Online, que diz que 80% dos internautas brasileiros visitou redes de relacionamento e blogs ao longo de 2008.

Grande parte deste índice bem acima da média mundial se deve ao sucesso do orkut entre diversas faixas etárias do país. Nem mesmo o Facebook no exterior possui tamanha aceitação. Num mesmo mercado, o nacional, a rede de Orkut Büyükkökten consegue o acesso de 70% dos internautas pelo menos uma vez por mês.


Globalmente, o orkut não possui expressão, se comparado ao Facebook, de Mark Zuckerberg. Considerada a maior rede social do mundo desde o início deste ano, quando ultrapassou o MySpace em número de visitas mensais em território americano, Facebook é acessado por três em cada dez pessoas mensalmente – em nove países onde a Nielsen pesquisa o comportamento online.

Sites de relacionamento são os que mais crescem em número de visitações na web, segundo a Nielsen Online, tornando-se a quarta atividade mais popular na internet, ultrapassando até mesmo o serviço de e-mail. O crescimento de redes sociais e blogs chega a ser duas vezes maior que os dos três primeiros colocados: busca, portais e software para PCs.

Fonte: Site Info Abril

2ª Notícia

Usuário típico de redes sociais nos Estados Unidos é quarentão
Redação do IDG Now!
19-02-2010

Pesquisa dividiu participantes de 19 redes sociais em faixas etárias. Em 11 dessas redes a maioria tem entre 35 e 44 anos.



O usuário do Twitter tem, em média, 39 anos, enquanto o do LinkedIn tem 44, o do Facebook, 38 e do MySpace, 31. Os dados são do estudo feito pelo site de tecnologia Royal Pingdom, que pesquisou a média de idade de usuários em em 19 redes sociais, incluindo - além das já citadas - o Slashdot, Reddit, Digg, Delicious, StumbleUpon, FriendFeed, Last.fm, Friendster, LiveJournal, Hi5, Tagged, Ning, Xanga, Classmates.com, Bebo. Na média, segundo a pesquisa, o usuário típico dessas redes sociais tem 37 anos.

Na distribuição por faixas etárias, internautas entre 35 e 44 anos representam 25% de todos os cadastrados nas redes, sendo maioria em 11 dos 19 sites analisados. Logo depois aparecem os membros entre 45 a 54 anos, representando 19% do total. Usuários entre 25 a 34 anos, são 18%; até 17 anos, 15%; entre 55 a 64 anos, 10%; e entre 18 a 24 anos, 9%. Pessoas com mais de 65 anos representam apenas 3% dos usuários das redes.

O estudo usou números do Google Ad Planner nos Estados Unidos junto com cálculos adicionais para chegar ao resultado final.

A análise individual de cada rede social aponta que o Bebo é o que atrai internautas mais novos, com 44% dos usuários na faixa de até 17 anos. A faixa etária também é grande no MySpace, com 33% dos usuários. As menores médias de idade estão justamente nessas redes: o Bebo tem média de 28 anos; o MySpace, 31, e Xanga, 32.

Já as maiores médias de idade são encontradas na Classmates.com, cujo usuário médio tem 45 anos, no LinkedIn, (44 anos), Delicious (41 anos) e Slashdot (40 anos).

Os usuários acima de 35 anos são 64% no Twitter e 61% no Facebook. Segundo a Pingdom, trata-se da geração que estava na faixa dos 20 anos quando a web estourou no meio dos anos 90, tornando-se a mais “social” entre as analisadas.

Usuários entre 18 a 24 anos não são maioria em nenhuma rede. A Pingdom acredita que isso seja devido ao fato de ser um intervalo menor de idade, de apenas 7 anos, contra 10 em alguns outros casos.

O estudo completo pode ser visto no site da Royal Pingdom.


Priscylla Duarte | Jornalista

Ocorreu um erro neste gadget