scrolling='no' 06/02/11 - 13/02/11 | Tendências de marketing digital e redes sociais na Web 2.0

O Marketing Digital nas Plataformas de Redes Sociais

As oportunidades que a Internet oferece aos recém-formados em Comunicação Social

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011


Algumas pessoas me perguntam como eu ingressei na área de Internet. Daí eu resolvi fazer esse autopost especial de terça para explicar como a vida me guiou para o meio e também para abrir o leque de recém formados na área que ainda não sabem em qual veículo de comunicação irão atuar.


Minha trajetória profissional:

A verdade é que em 2004 quando o Orkut surgiu no Brasil, eu estava mais preocupada em estudar uma forma de como eu seria a próxima Fátima Bernardes e tomaria o lugar dela lá no Jornal Nacional, é sério! Meu sonho era ser a apresentadora do jornal das 8 da noite da Globo, acho válido para uma menina bonita e com apenas 19 anos, eu podia sonhar com isso, pensava.

És que o Orkut surgiu e eu nem dei bola, até fiz uma conta para mim, mas não me interessei muito, mesmo por que várias pessoas que eu não tinha nenhum contato na época da escola, passaram a me adicionar e fingir ser "melhores amigas", pois é, comecei a ficar com raiva principalmente dos Status - Namorando, casado, solteiro, relacionamento aberto, achava aquele site tão sem graça e não compreendia como as pessoas podiam gostar daquilo, deletei minha conta por vários anos e vários anos não me interessei por nada de Internet, achava tudo um saco, não via nada de interessante lá, a não ser o site da Globo - minha obsessão como podem ver e 4 outros sites contados: MSN, sites exotéricos, de fofocas e Hotmail – Eu realmente era uma ex-adolescente neórotica.

Em 2006 com as voltas que a vida dá e eu prestes a me formar na UFRN, resolvi então voltar para o Orkut - Percebi que as pessoas sempre retornam a ele, e é verdade – Primeira observação importante com relação às redes sociais – Todo mundo retorna a elas ao menos uma vez na vida. Voltei e dessa vez para ficar - pois eu estava fazendo pesquisas para o meu TCC e sabia que no Orkut eu poderia encontrar pessoas para participar de entrevistas e me ajudar de alguma forma em meu trabalho que era sobre o uso da televisão no ensino a distância – Segunda constatação – As rede sociais diminuem a distância entre as pessoas.

Porém o uso do meu orkut também passou a ser o comum a todos: colocar fotos, responder scraps, colocar status no relacionamento, conhecer pessoas e rever pessoas, inclusive aquelas que não eram tão amigas assim, mas que decidi sim aceitá-las como "amigos" – Terceira constatação: as redes sociais é uma ótima forma de manter e fazer amigos.

1 ano depois eu já tinha no meu orkut mais de 250 amigos adicionados e até fui capa de comunidade daquelas "As mais gatas" - é! Acabei que participei de um concurso desses... Enfim, em 2007 voltei as minhas pesquisas acadêmicas e consegui várias pessoas para me ajudar no meu TCC, inclusive um professor meu, do ensino médio, que na Faculdade virou um colega de sala de aula e tinha muitas coisas sobre ensino à distância – Quarta constatação: As redes sociais é uma ótima forma de fazer network.

Um dia resolvi entrar em contato com ele e deixei um scrap na página de recados dele, pronto - Foi aí que conheci a pessoa responsável por eu ter entrado de cabeça e coração no maravilho mundo da Internet - meu Esposo. Sim, nos conhecemos pelo orkut, através desse amigo em comum entre nós - Hoje em dia não tenho mais Orkut, não por raiva, mas por perceber que para o meu dia a dia o Orkut não me ajuda muito, uma vez que não uso as redes sociais para mostrar como anda a minha vida e sim para trabalho e hoje só tenho o Twitter e este blog como presença de minha pessoa na rede – Quinta constatação: Você não precisa está presente em todas as redes sociais para se fazer notado, meui esposo que na época era viciado em Internet me ensinou várias coisas relacionadas à ela e vendo o processo de amadurecimento da mesma, acabei que vi uma excelente oportunidade de trabalho, fora do fantástico mundo Televisão e Rádio.

Me formei em comunicação social, e resolvi entrar no ramo de jornalismo online - Passei o ano de 2009 elaborando um projeto com meu esposo e no final do mesmo ano, me tornei redatora de uma empresa desenvolvedora de sites aqui de Natal, alguns meses depois passei a pesquisar - devido ao meu cargo de diretora de conteúdo web – Fui promovida, nesta mesma empresa ao qual dedico-me há mais de 1 ano - assuntos relacionados ao marketing digital e novas mídias e juntamente com o meu esposo que é analista em SEO e SEM desenvolvemos pesquisas na área de comunicação digital – Sexta constatação: As redes sociais é uma ótima alternativa para quem está interessado em trabalhar com comunicação.

A dica que deixo para quem está interessado em trabalhar com internet é a seguinte: Ame a Internet – se não amá-la não vai entender a verdadeira importância que o veículo oferece. Você verá que trabalhar com Internet além de ser divertido, vai te abrir bastante a mente para coisas que antes você achava impossível de acontecer – Hoje em dia passo no mínimo 10 horas do meu dia conectada – É ou não é amor?




Priscylla Duarte | Jornalista
@priscylladuarte

NERD: A nova mania do século XXI


Antigamente quando alguém era chamado de NERD, se referia a uma pessoa anti-social e com o desenvolvimento meio lento. Ser NERD na década de 90, por exemplo: Não era uma coisa muito boa.

Este estereótipo desenvolvido pelos filmes americanos, de um rapaz sem amigos, solitário e voltado apenas para seus estudos científicos foi sendo reformulado e hoje em dia os NERDS tornaram-se uma espécie de Super-Heróis da cibercultura.

Mas o que é ser um Nerd? Algumas pessoas vão dizer que todo garoto que fica horas de frente para o computador, jogando ou navegando online, se esquecendo de comer e passear, é um NERD. Esse é o conceito de NERD da década de 80 e 90, que está enraizado na nossa cultura.

Porém, ser um NERD é ser uma pessoa extremamente sociável, que faz amigos com facilidade, que entende não só de computação e Internet, mas também de outros assuntos - e sim, eles entendem de tudo um pouco, pois eles se interessam por inúmeros assuntos diferentes. Gostam de passear, mas se for para escolher entre uma praia e desenvolver um programa em nuvens, ele vai escolher a segunda opção - Eu também acho bem mais interessante do que ir a praia, quem dirá um apaixonado por tecnologia.

Mas, se por a caso, ele escolher ir a praia, prepare-se para segurar o computador portátil no colo, pois ele vai dá um jeito de se conectar ao chegar no ensolarado destino.

Conheço alguns NERDS que nada lembram aquela caricatura de menino gordinho, de óculos, sentado de frente para um computador e com um pacote de salgadinhos e coca-cola. São homens que passam despercebidos na multidão, por ser tão parecidos com os demais, o que difere dos outros é a inteligência fora do comum desses indivíduos - Basta lembra-se do Marc Z - CEO do FACEBOOK - NERD, mas que comporta-se e veste-se de uma forma comum aos demais.

Conversar com os NERDS é está preparado para conversar de algoritmos e eleição para presidente sem perceber que esses assuntos não fazem parte do seu cotidiano, porém eles falam de uma forma tão envolvente e apaixonada pelo assunto que você passa a se interessar também. Foi assim comigo - Sim, eu tenho um NERD em casa, que passa horas e horas navegando pela Internet e ao invés do copo de coca-cola, ele fica com um copo de água, às vezes com uma xícara de café - E vou confessar: Eu adoro.

Curiosidade:

De onde vem o termo Nerd?

O Termo NERD vem da palavra em inglês DRUNK que escrito ao contrário fica "knurd" - pronucia-se NERD - lembre-se que o E tem som de U no Inglês. Sabemos que DRUNK é bêbado - ou seja a palavra KNURD é Bêbado ao contrário; fazendo uma analogia aos estudantes Americanos que não bebiam nas festas proporcionadas pelos grupos acadêmicos das faculdades amaricanas, na década de 50.


Priscylla Duarte | Jornalista
@priscylladuarte

Ocorreu um erro neste gadget