scrolling='no' A Comunicação Colaborativa e sua importância para o crescimento da INTERNET | Tendências de marketing digital e redes sociais na Web 2.0

O Marketing Digital nas Plataformas de Redes Sociais

A Comunicação Colaborativa e sua importância para o crescimento da INTERNET

quarta-feira, 28 de julho de 2010



Há alguns dias atrás nos deparamos com a notícia que o JB (Jornal do Brasil) estava se preparando para colocar em circulação a sua última edição impressa, no próximo dia 31 de Agosto. É inegável a importância que este e outros jornais tiveram no decorrer de sua vida de publicação e também o valor sentimental que todos os profissionais que de alguma forma aprenderam e cresceram profissionalmente tem ao veiculo, isso deve ser respeitado.
Nesses últimos dias também pudemos observar a discurssão gerada em cima dessa notícia: Se o JB estaria fechando suas portas devido a INTERNET e toda essa onda de colaboração que vem acontecendo devido a Web 2.0. Muitos profissionais chegaram a afirmar que tudo isso estava acontecendo realmente por causa da existência da INTERNET e quiseram colocar em xeque a real importância deste tão jovem veiculo de comunicação, que em tão pouco tempo já vem causando tantas mudanças em nosso cotidiano e modo de interagir com o mundo.
Não, a INTERNET não foi e nunca será a vila da história, pelo contrário, ela está aqui para agregar valor, e não para competir e roubar espaço das outras mídias, porém é fato: A Internet como ferramenta de comunicação é mais eficaz que todas as mídias juntas, pelo simples fato de ser a única que consegue convergir todas para dentro dela. Colocar a culpa na Web 2.0 pelo fracasso administrativo que infelizmente o JB vinha sofrendo ao longo de décadas e que culminou com o fechamento do jornal impresso é no mínimo imaturo e precipitado. Assim como culpar pessoas com interesse em colaborar com ideias e conhecimentos pela desregulamentação da profissão de jornalismo também não é o caso.
É fato que com a informação gratuita que encontramos na INTERNET em tempo real e sem ao menos precisar sair de casa, nos viciou. Acho praticamente improvável que nos dias de hoje alguém com idade entre 18 a 30 anos irá pagar para ter informação, é como cobrar a alguém por respirar, não adianta nos dias atuais essa política não funciona mais.
Se existe informação de qualidade e gratuita não há o porquê de pagarmos pela a mesma informação, só por quê foi um jornalista x que escreveu? Garanto que o nome do jornalista será o fato menos importante para a disseminação desse conteúdo em rede. Achar que tudo continua como antigamente e que nada está acontecendo não é inteligente. Quem ou o quê permanecer ou continuar com esse tipo de filosofia, infelizmente irá fechar suas portas, como aconteceu com o JB e como irá acontecer com tantos outros que insistirem em cobrar por conteúdo, seja através de impresso ou até mesmo online como algumas instituições de notícias estão tentando fazer e não estão conseguindo. Torno a repetir: A INTERNET não tem absolutamente nada a ver com isso e muito menos os usuários web 2.0, isso tudo é fruto de má administração e falta de inteligência em conseguir gerar receitas sem precisar cobrar do leitor/usuário.
Quando ainda estava cursando jornalismo/radio e tv eu me deparava com modelos tradicionais de ensino e professores que mesmo lecionando para jovens, ainda estavam presos em um sistema no qual não se usa mais. Quando algum aluno mais cibernético mencionava o nome INTERNET como veiculo e alternativa de comunicação e profissionalização, eles até concordavam mais eram unanimes em afirmar que isso era para alguns longos 10 anos, eu pensava: como assim, 10 anos? E infelizmente, as aulas tornavam a ser enfadonhas com modelos tradicionais de comunicação tradicional e nada a ver com a realidade que estávamos vivenciando na época – 2002/2008. Me formei. e  lá (UFRN) continuam os mesmos professores dando aulas para os meus futuros colegas de profissão e com a mesma visão de que a INTERNET só vai ser um veiculo de comunicação daqui há 10 anos, notaram? Nunca chega! Mero engano, os 10 anos que eles insistem em enfatizar já é agora, e enquanto esses formadores não entenderem que a comunicação mudou, os seus “pupilos” nunca irão perceber essa mudança. 
 Até chegar um ponto que uma aluna do curso de comunicação social/ publicidade de uma faculdade particular de Natal, tem a inocência de falar que não gosta de INTERNET; como pode? Uma aluna de comunicação não gostar de Internet?  Não é ela que não gosta, e sim ela está sendo treinada pelo tradicional. Não gosta de Internet e tem perfil nas redes sociais? É no mínimo contraditório. Eu também já fui uma aluna assim, aficionada em Televisão e Rádio, só conhecia esses dois veículos também, até que ao me formar fui apresentada a uma ideia de comunicação online extremamente inteligente e de ideia passou a projeto que logo em breve todos vocês poderão interagir. 
Fico pensando, e se eu não tivesse “pensado diferente?” estava fazendo hoje o que da vida? Esperando uma oportunidade aonde? Descobri em 2008 a minha verdadeira vocação – Profissional de Internet, jornalista web, redatora, webwritten e arquiteta de informação, são vários os nomes para essa minha vocação, mas a verdade é uma só: Todas convergem para o meio Internet e quero deixar bem explicito para os estudantes de comunicação que ainda não se atentaram para esse fato, que ainda tem tempo; o veiculo Internet ainda tem muito para crescer e quem estiver de alguma forma ligado a ele terá excelentes oportunidades de crescimento profissional e conseqüentemente financeiro.


Priscylla Duarte | Jornalista
@priscylladuarte

0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget